domingo, 25 de novembro de 2012

Experimente Aniversários

Eu juro, juro de pé juntinho, juro pela minha coleção de Poupançudos, que um dia eu experimento o tal Aniversários que tanto me oferecem no Facebook.

Desconfio que seja um entorpecente novo que criaram e usam esse pseudônimo inofensivo pra maquear seu alto poder de viciar as pessoas. Sim, porque percebo que mais e mais pessoas estão experimentando essa coisa e influenciando outras a experimentá-la também.

Então, faço aqui, diante de vós uma promessa: eu vou experimentar o tal Aniversário! E digo mais, isso tem até data para acontecer. Será dia 21 de outubro de 2013! (E se eu gostar, quero repetir todo ano.) Não percam! Será o evento do ano!

Já vejo até as manchetes do jornal do dia 20. ANA PAULA SE PREPARA PARA EXPERIMENTAR ANIVERSÁRIO AMANHÃ. Logo abaixo, JOVEM DE 27 ANOS, INFLUENCIADA POR REDE SOCIAL, DECIDE ENCARAR NOVO DESAFIO E DESCOBRIR COMO É O TAL ANIVERSÁRIO.


sexta-feira, 16 de novembro de 2012

NÃO É PROIBIDO ou COMO..., parte II

1ª abordagem:
 Assim que chegamos avistei um produtor de camisa branca:
-Oi, boa noite! Olha eu preciso de um grande favor seu. Quero saber como eu faço para entrar no camarim e tirar uma foto com a Marisa depois do show.
-Ih, num vai ter jeito, não. Ela não recebe ninguém.
-Ah, mas deve ter um jeito. Alguém que seja corrompível. (risos) Só me diz quem eu devo subornar para conseguir entrar lá.
-Tenta falar com alguma das produtoras que ficam do lado do palco no final do show. Quem sabe, né?
-Beleza, vou falar pro meu namorado jogar um charme pra elas. (risos)

Transcorre-se todo o show e na hora do bis eu chamo a Amiga.
-Amiga, vou tentar falar com alguém pra entrar no camarim. Quer vir comigo.
-Quero.

2ª abordagem:
Dois vigilantes com formato de guarda-roupa na entrada do palco.
-Opa! Tudo bom? Tô querendo saber quem eu tenho de subornar para entrar no camarim. (risos) Como é que eu faço para entrar lá, hein?
-Ih, num vai ter jeito, não. Ela não recebe ninguém. (Segurança 1)
-Essa aí é difícil, viu? Ninguém. Ninguém  mesmo!
-Putz! Mas eu tive informações extra-oficiais, privilegiadíssimas de que se eu falar com a pessoa certa, ela me põe lá dentro! Eu só quero saber quem é... (sorriso charmoso)
Continuo ali, no mesmo lugar, insistindo a todo momento e brincando com eles:
-Eu vou subir nesse palco, hein, e vocês vão ter de correr atrás de mim. Tô avisando... (mais sorrisos)

3ª abordagem:
Chega uma produtora loira, tirando fotos. Ela pede para que eu tire uma foto dela com a Marisa ao fundo:
-Claro! E eu vou negar um favor à mulher mais bacana desse teatro e que vai me colocar lá dentro do camarim? (risos)
Tiro a foto com todo empenho.
-Tô falando sério. Me ajuda a tirar uma foto com ela.
-Ih, num vai ter jeito, não. Ela não recebe ninguém.
(a essa altura percebi que essa era a fala padrão)
-Mas eu tenho certeza que você pode me ajudar.
-Não. Eu sou uma reles prestadora de serviço aqui. Num tenho moral pra nada, não. Mas se aparecer alguém dos que podem eu te mostro. (tipo, senta lá, Cláudia)
Mas a Cláudia aqui não senta! Jamais!

4ª abordagem:
Produtora gorda com cabelo de vassoura.
Falei o mesmo discurso para ela e a lambisgoia seguiu andando. Nem me deu atenção.


O show termina.


5ª abordagem:
Segurança legal da porta do corredor que dá acesso ao camarim.
-E aí, tudo bem? Essa galera (mó galera na porta) tá aqui na esperança de alguém entrar, é?
Sim com a cabeça.
-Opa! Então aqui é meu lugar! Queria muito entrar, mas tá complicado, né?
Sim com a cabeça de novo.
-Me deixa entrar, moço?
-Não posso, moça!
-Não, é que você fez sim com a cabeça duas vezes, vai que saía mais um, né? De repente... (risos meus e dele)
Eis que sai uma velhinha na porta e diz:
-A Marisa não vai atender ninguém hoje, porque está muito cansada e (blá-blá-blá...)
Olho para a Amiga e digo que não vai ter jeito mesmo, não...
-Não, vamos esperar mais um pouquinho! Vai que...
-Certo!
Continuo a conversa com o segurança:
-Difícil, viu, cara! Que que a gente faz nessas horas? Será que ela tá no Castros? Vou pra lá ficar na porta esperando ela. (sempre sorrindo)
-Por que você não a espera na saída daqui do teatro?
-Ah, mas a saída aqui pros famosos num é uma passagem secreta, não? Tipo, subterrâneo?
-Nããããoo... Eles saem naquela portaria ao lado da que você entrou, sabe?
-Tá brincando? Sério mesmo?
E rumamos para lá! Eu sempre soube que é preciso falar com as pessoas certas na hora certa. Mas nunca imaginei que essa pessoa seria um segurança, sabia?

Momentos finais:
-Chegamos na tal portaria do estacionamento, dois armários de terno lá também. Cumprimentei-os e fomos entrando. Paramos ao lado do Azera que já estava inclusive ligado e com as portas abertas esperando-a. Daí passa por nós o primeiro produtor, o da camisa branca, e grita para os vigilantes não deixarem ninguém entrar. Depois sai a tal produtora loira que disse que não tinha poderes, olhou para nós com cara de "foi mal, aê". E saem músicos, e produtores e mais músicos e cadê a mulher gente!?
Já estava com medo de algum segurança vir me pegar pelo braço.
-Ana, ela tá vindo! - avisou meu namorado.
Preparei a câmera, ela olhou para mim, mas virou as costas para conversar com uma pessoa...
Quando voltou novamente:
-Marisa, tira uma foto comigo?
-Claro. Vem aqui. Mas tem que ser rapidinho.
Abracei-a e falei um monte de coisas que fãs falam. Ela me entregou um autógrafo e perguntou se eu havia gostado do show.
-Foi o melhor show da minha vida! Muito obrigada! Parabéns!

Epílogo:
Saí andando dali não sei como.




quinta-feira, 15 de novembro de 2012

NÃO É PROIBIDO ou COMO CONSEGUIR UMA FOTO COM SEU ÍDOLO EM 20 MINUTOS, parte I

Eu sou uma pessoa de muita sorte. Nem sei porque eu sou tão mal humorada às vezes (aliás, às sempres)... Na verdade eu sei, mas não quero falar. Eu quero falar é sobre a Marisa Monte e como eu consegui abraçá-la ontem. Não faço exatamente a linha tiete, não pertenço a fã-clube, não mando cartinhas, não tenho poster na parede do quarto (por mais teenager que isso possa parecer, sei de gente - adulta - que tem... ou iéar...), entretanto, a admiro pra cacete! Acho-a bonita, sensível, com uma belíssima voz, muito competente no que faz, discreta e educada (raridade entre os artistas de hoje).

Em 2001 conheci algumas músicas da Marisa. Tive até a audácia de pensar em cantar Bem Que Se Quis num festival da minha cidade, mas meu anjo da guarda, sempre muito prestativo e atento, não permitiu e me poupou desse provável fiasco. Não que eu seja desafinada, quer dizer, não muito, mas é que é preciso uma dose generosa de talento para conseguir chegar próximo de uma música interpretada por ela. Enfim, não cantei e fui muito feliz. Em 2003, ganhei de presente da Maianí o livro Marisa Monte : Memórias, Crônicas e Declarações de Amor, simplesmente fantástico. Contém fotos e letras cifradas das músicas do álbum homônimo. Quando comecei a trabalhar tive condições de adquirir mais produtos dela: um CD aqui, um DVD acolá. Em janeiro de 2007 ela veio à Goiânia com a turnê Universo Particular. Fui a terceira a chegar no local do show,  precedida por um casal gay indubitavelmente mais loucos por ela do que eu. Levei meu livro comigo e ao ver o tal casal entregando um idêntico a uma produtora do show pedi que levasse o meu também para pegar um autógrafo dela. Depois que vi aquela produtora indo corredor a fora com meu lindo livrinho nas mãos bateu um medo de nunca mais vê-lo. E se ela o entregasse a outra pessoa por engano? O jeito era acreditar e torcer. Mas meu anjinho não brinca em serviço e eis que no final do show eu encontro a guria e recupero meu pertence devidamente autografado pela autora. Meu coração se encheu de júbilo naquele momento.

Este ano, ao saber que MM viria novamente à Goiânia, falei para o meu namorado que gostaria muitíssimo de ir e que esse ano não ficaria na plateia lateral como em 2007. Meu amor, solícito e adorável como sempre, se prontificou a comprar os melhores ingressos... Normal? Sim, se não fosse o preço anormal. Contudo, é um show da Marisa Monte, véi! Show nada! Es-pe-tá-cu-lo! Obrigada, meu bem! Você me proporcionou uma alegria ímpar! Aliás, você tem me proporcionado várias. Obrigada! O show foi lindo! Perfeito!

Agora, tão bom quanto o show foi ter realizado a façanha de tirar uma foto junto a ela. Não percam o próximo post.