terça-feira, 29 de maio de 2012

Coisas de mãe, parte XXXII

Três coisas me envaidecem muito: quando elogiam minha beleza, quando elogiam minha inteligência e quando elogiam meu filho. Obviamente a que me deixa mais orgulhosa é quando elogiam meu filho. Que ele é lindo eu sei. Que ele é super inteligente eu também sei. Entretanto fico felicíssima quando as outras pessoas percebem isso sem que eu diga absolutamente nada. Sim. Sou modesta também. 

Hoje fomos à dentista e saí de lá estufada, com o ego altamente massageado.

"Parabéns, mamãe! Seu filho é lindo!"

Ele conversa bem, raciocina que é uma maravilha, presta atenção em todos os detalhes e tenho tentado torná-lo educado.

-Pedro?
-Quê?
-Quê?! 
-Senhora, mamãe.

Eu sei que vocês podem pensar que isso é um pouco demodè. Que hoje não se usa mais essas convenções. Mas eu acho bonitinho! Dá licença para eu criar o meu filho do meu jeito? É bacana a criança pedir benção aos mais velhos, é bacana falar por favor, obrigada e desculpe. E tenho trabalhado nessas coisas em que eu acredito que, se não fizerem bem a ele, mal também não há de fazer.

Quero contar uma peripécia do meu rebento transcorrida na data de hoje.

Todos os dias fazemos a seguinte oração "... Santo Anjo do Senhor me proteja, me guarde e me ilumine. Amém." Daí, ontem eu havia ensinado a ele como falar seu nome completo: Pedro Paulo Santos Rosa. Hoje de manhã eu perguntei para testar a memória do rapazinho:
-Filho, como é seu nome?
-Pedro Paulo.
-Pedro Paulo de quê?
-Pedro Paulo Santo... Anjo do Senhor...

Explodi em risadas. Olha o embromation do menino!

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Quando faço o que gosto, ganho forças para fazer o que não gosto.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Mutante

Não ando postando aqui ultimamente, se é que perceberam. Estou passando por uma fase tipo pré-vestibular. Sabe, vestibulando? Aquela pessoinha que só respira, estuda, come e dorme. É isso. Estou praticamente nesse ritmo. A diferença é que eu inseri aí mais duas "pequenas" ações: trabalho e materno (v. maternar: cuidar do filho). Logo, minha rotina está assim distribuída: acordo, estudo, materno, trabalho, como, trabalho, como, estudo, materno, durmo. Não, não saio. Não, não namoro. E também não assito tevê. Sim. Gasto em média meia hora com internet, mas é só também! Entenda que isso é um vício. 

Depoimento de uma viciada em internet:
(Começa voz de pato / minha sombra ao sol)
"Quando eu comecei achei que ia ser só pra pesquisa, olhar e-mail de vez em quando, colocar umas fotinhas no Orkut, enfim, só pra interagir com a galera, né? Cê sabe... Mas aí fui ficando durante as madrugadas, baixando filmes, músicas, séries, e que eu nem assistia... Só queria mesmo é ficar conectada. Agora tô aqui... desse jeito que cês tão vendo... totalmente dependente. Já diminuí bastante, mas o meu objetivo e me tornar livre..."

Lembrei-me que amanhã fará um ano que fiz a tão famigerada cirurgia que me trouxe a tão sonhada auto-estima. E foi exatamente durante o período de recuperação que resolvi criar o blog. É importante ter um espaço para chamar de meu. E tenho percebido mais a cada dia o quão importante é fazer as coisas que eu gosto. O único problema é redescobrir as coisas que gosto. Vc já teve a sensação de se perder no mundo? Ser sufocada pelo que está ao seu redor e por um momento não se dar conta de quem você é e do que gosta? Estou nessa fase. Aliás, estou numa fase bastante peculiar. Os estudos citados no primeiro parágrafo não são em vão. Estou tomando as rédeas da minha vida e investindo num novo projeto. Portanto, me perdoem se o blog permanecer um tanto quanto largadinho. Sei que pra vocês não faz a menor diferença se estou escrevendo ou não, afinal, são só lorotas mesmo e as lê quem quer. Entretanto, meu senso de responsabilidade me obriga a dar satisfações a vocês uma vez que lhes abri uma pequena brecha para conhecer a mim e a minha vida.

Em breve voltarei a cronicar sobre meus pacatos dias de bancária e mãe. Mas, por enquanto, nos contentemos em saber que uma nova Ana Paula está sendo gerada. Vamos ver no que isso vai dar!
Beijos!

(Nunca me despedi com beijos nesse blog. Hoje me deu vontade. Estranho, né?)


segunda-feira, 7 de maio de 2012

Salve a professorinha!

Acho que se eu não fosse jornalista por formação ou bancária por exercício eu seria professora por hobby. Tenho prazer em ensinar, acho bacana transmitir o pouco que eu sei. Mas eu não queria ser qualquer tipo de professora, não! Eu seria daquelas que marcam a vida do aluno. Daquelas que ele se lembraria por anos e anos a fio. Nada de professora de criança ou de adulto. Meu negócio é adolescente. Adolescentes são ótimos! Eles nos renovam e fortalecem dia após dia. "Senhor, me dê forças!" - É o que dizemos antes de encarar uma sala cheia de pessoinhas púberes com mais espinhas do que rosto e mais cabelo na mão do que na cabeça! A criticidade deles nos motiva a demonstrar-lhes que não são os donos da razão. Adolescente tem mania de achar que só o mundo deles faz sentido e cabe ao bom professor trazê-los para a realidade nua e crua. Se a empreitada for bem sucedida podemos terminar o ano como heróis e ficar de vez na memória deles. Cito, por exemplo, a Allyene. Professora de biologia no segundo e terceiro ano do ensino médio. Fora de série! Completamente louca e rigorosa, mas me fez aprender coisas (da biologia e da vida) que não esquecerei jamais. Ela falava coisas duras de se ouvir e dava esquete (até saía da sala), atos esquisitos para uma professora e que me faziam refletir sobre o que eu queria ser e o que eu queria fazer da minha vida. Isso sem falar dos ribossomos, nucléolos, ácido ribonucleico e desoxirribonucleico, mitose, meiose, cissiparidade, Ciclo de Krebs, mitocôndria,...