sábado, 5 de novembro de 2011

Biotônico Fontoura

A despeito do post anterior senti a necessidade de responder a dois comentários. Primeiramente, o Biotônico era o inverso do Emulsão Scott. Enquanto este tem um desprezível gosto de óleo de fígado de bacalhau, aquele tinha gosto de pinga. Sim, o Biotônico, assim como o Sadol, era para nós crianças, o que a cachaça era para o Mussum, ou seja, o "mé"! Era uma delícia! Aquele gostinho que ficava na boca... hummm... não tava nem aí se tava tomando ferro (não literalmente, pelo amor de Deus!), eu queria era beber. Tomava uma colher de sopa antes das refeições e, às vezes, uma gole escondido. O segundo comentário versa a respeito de fazerem um Biotônico Ice. Até imaginei... Jesus! Com duas pedrinhas de gelo e umas folhinhas de hortelã... a deficiência de ferro já era!

Mas o assunto Biotônico me faz lembrar de uma parte trash da minha infância. Aos dez anos eu tive reumatismo no sangue. Tomava várias Benzetacis por mês - e quem já tomou sabe que não há injeção pior no mundo. Até aí tudo bem. A merda voou no ventilador quando um infeliz-filho-de-uma-puta-desgraçado ensinou para a minha mãe uma garrafada que era tiro e queda para curar reumatismo no sangue. Eu não culpo a minha mãe por ter acreditado nesse energúmeno, pois quem está com uma filha doente se sujeita a qualquer tratamento que possa curá-la. Portanto, anotem aí a receitinha: vinho branco, pacová, sassafrás, chapéu-de-couro, osso de capivara e rabo de tatu canastra. Os três primeiros são plantinhas. Be-le-za. Agora, onde diabos arrumaríamos um osso de capivara? E um rabo de tatu? Tatu este que não poderia ser de qualquer espécie, tinha de ser canastra (o maior e mais raro).

Como eu orava para ela nunca encontrar aqueles dois ingredientes! Osso de capivara torrado e moído (ou ralado, sei lá!) e rabo de um tatu, que não poderia ser qualquer espécie de tatu, tinha de ser o canastra. Ca-nas-tra. E todo mundo se solidarizava e tentava encontrar os tais ingredientes da poção mágica. Eu tinha vontade de falar pra minha mãe me dar só o vinho Moscatel e pronto, deixasse esses bichinhos e essas plantinhas pra lá. Afinal, nada melhor que beber pra esquecer os problemas (é o que dizem...).

No final das contas, ela encontrou tudo, eu tomei a garrafada toda, meu reumatismo sumiu e tudo voltou ao normal. Exceto pelo fato de que algumas pessoas se orgulham de já ter comido carne de capivara e tatu, eu me orgulho de já ter bebido o rabo e até os ossos.

8 comentários:

  1. MEMIJEI!!!!!!!!! Pelo amor de Deus, como você me faz passar vergonha assim? Dando gargalhadas altas na recepção da escola? A louca rindo pra uma tela! hahaha!!!

    ResponderExcluir
  2. Ana Paula Rosa,

    Boa noite !

    Em 1997 'descobri' que o Biotônico Fontoura tinha 9,5% de graduação alcoólica. Ministrado para crianças !!!

    Empreendi uma campanha, durante 4 anos, para acabar com aquele absurdo !
    Sofri duas tentativas de morte...

    Em setembro de 1999 o Laboratório Fontoura reduziu a graduação para 4,2%.

    No dia 20 de abril de 2001, a ANVISA, através de portaria, proibiu a inclusão de álcool na formulação do 'aperitivo' infantil, o 'mé' !!!

    Mas ainda deu um prazo de 180 dias para que os produtos ainda nas farmácias fossem recolhidos...
    Só no Brasil !

    Na verdade, o Biotônico Fontoura era um'aperitivo' (alcoolizado) para as crianças...

    As mães davam o Biotônico para abrir o apetite das crianças...
    (assim as mães pensavam)

    As crianças tomavam o Biotônico e ficavam viciadas pelo álcool...

    Então a coisa funcionava assim :

    As mães davam o Biotônico para as crianças comerem depois...

    As crianças comiam hoje, para as mães darem novamente o Biotônico amanhã...

    Você, Ana, agora sabe o porquê da 'delícia' que a fazia 'tomar ferro' sem reclamar...

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Biot%C3%B4nico_Fontoura

    Saudações,
    Paulo Lopes

    xyz.rio@gmail.com
    xyz.rio@hotmail.com

    ResponderExcluir
  3. era tão viciado nesse "vermute infantil" que aos cinco anos de idade, levava os amiguinhos pro almoço e falava pra mamãe..."uma dose pra mim e outra pro camarada aqui".

    ResponderExcluir
  4. MUITO BOM EU HOJE TENHO 39 ANOS E ME LEMBRO BEM DE QUANDO ERA PEQUENA, QUE ERA DIFICIL A CASA QUE NÃO TINHA AQUELA CACHAÇA DE CRIANÇA MAIS TODO MUNDO DA CASA DAVA UMA BICADINHA,HOJE É QUE A GENTE ENTENDE O POR QUE.

    ResponderExcluir
  5. Tomei quando criança, não viciei.
    Talvez porque minha mãe misturava emulsão de scott.

    Baseando pelo lado da dependência, hoje há muito mais viciado em álcool que naquele tempo. Que diga essa nova geração!
    Como explicar? Melhor fosse os pais continuasse dado biotônico - sic

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fato!!!
      Eu tomei Biotônico Fontora e não virei dependente de álcool.
      E só foi tomar bebidas alcoólicas quando já era maior de idade, hoje em dia qualquer criança de 12 anos já bebe até cair...

      Excluir
  6. Pois eh tanta coisa no mundo e a amiga gastou mais de quatro anos da vida para tirar o mé das criancinhas!!! Seria falta do q fazer!??

    ResponderExcluir
  7. Eu e meus cinco irmãos tomamos Biotônico Fontoura na infância e obtivemos ótimos resultados...ninguém se tornou alcoólatra ... Hoje em dia proíbe-se o uso desse medicamento para crianças e estimulam o uso de maconha, cocaína...etc...e ainda estimulam a prática sexual por meio de conteúdos escolares em nome da tal prevenção de DSTs....entre outras barbaridades...

    ResponderExcluir